Utilizando o Microsoft Teams para Ajudar na Organização de Seus Projetos

​Nesse artigo vamos mostrar um pouco do Microsoft Teams. Uma ferramenta excelente para organização e personalização de equipes de trabalho em ambientes locais. Essa ferramenta pode lhe ajudar a centralizar seus projetos e documentar cada passo de seus participantes. Tudo isso dentro de um ambiente leve, intuitivo e totalmente online. Com o Microsoft Teams, você também pode ter acesso aos arquivos relacionados ao projeto e equipes separadamente, e poderá acessá-los de qualquer lugar através de seu computador ou dispositivos móveis.

Veja algumas perguntas mais frequentes sobre o produto:

Quais planos de Office 365 incluirão o Microsoft Teams?

O Microsoft Teams está disponível para clientes comerciais assinantes de um dos seguintes planos: Business Essentials, Business Premium e Enterprise E1, E3 e E5. Também estará disponível para clientes que adquirirem o E4 antes de se tornar indisponível.

Quais ações os administradores de TI do Office 365 precisam realizar para ter acesso à prévia do Microsoft Teams?

Para acionar o Microsoft Teams, os administradores de TI devem ir ao centro de administração do Office 365, e clicar em Configurações > Serviços & Add Ins> Microsoft Teams.

Quando o Microsoft Teams estará disponível para todos os clientes Office 365 elegíveis?

O Microsoft Teams está disponível em versão prévia para clientes comerciais elegíveis do Office 365 a partir de 2 de novembro de 2016. Esperamos que o serviço esteja totalmente disponível no primeiro trimestre de 2017.

Em quais plataformas o Microsoft Teams funciona?

O Microsoft Teams roda em plataformas Windows, Mac, Android, iOS e web.

Quais níveis de segurança e compliance o Microsoft Teams aceita?

Espera-se que o Microsoft Teams esteja em conformidade com Office 365 Tier C no lançamento. Esse conjunto amplo de proteção de dados e compliance inclui ISO 27001, ISO 27018, EUMC, SOC 1 Type I & II, SOC 2 Type I e II, HIPAA e FERPA. O Microsoft Teams também reforça a autenticação em duas etapas, a entrada pelo Active Directory e a criptografia de dados em trânsito e em repouso.

Quais treinamentos estão disponíveis para ajudar os administradores de Office365 a saber mais sobre o Microsoft Teams?

Temos dois treinamentos atualmente disponíveis para nossos administradores de TI. Para ver esses treinamentos, visite o site Microsoft Virtual Academy. Temos um vídeo no Microsoft Mechanics e mais informações no Microsoft Teams Tech Community.

Vamos ver agora um pouco de seus recursos e funcionalidades na prática. Você pode trabalhar com o Microsoft Team Online ou baixar a ferramenta em seu computador. É recomendável baixar o App para uma melhor experiência com o Teams.

Essa é a tela principal e a nossa equipe já está criada. Na equipe principal, podemos adicionar os membros, criar novos canais, personalizar a equipe, caso queira adicionar adicionar o logo-tipo e até mesmo adicionar “bots” em um chat para facilitar e automatizar as conversas.

Dentro da equipe você poderá criar “Canais” para organizar os seus projetos de acordo com sua necessidade. Veja abaixo como é fácil criar um novo canal:

Digite o nome do “Canal” e coloque uma descrição para organizar melhor o mesmo:

Com o canal criado, veja ao lado as opções que possuímos dentro dele. Na guia “Conversas”, serão armazenados toda a parte de chat. Você poderá mencionar um participante com o @, assim como utilizamos nas redes sociais e alguns apps de chat.

Na guia “Arquivos”, podemos fazer o upload de arquivos. Isso é muito legal, pois podemos organizar todos os arquivos envolvidos em um projeto ou de um cliente específico. Com esse recurso, podemos centralizar muito bem toda a documentação e os participantes envolvidos nos projetos, poderão acompanhar com facilidade o andamento.

Na guia “Wiki”, podemos criar uma base de conhecimento para cada canal separadamente. Isso é muito interessante para documentar resoluções de problemas e como tal projeto foi desenvolvido. É um espaço que pode ser utilizado para vários fins.

Você também poderá personalizar um guia e utilizar os aplicativos nativos do Teams. Existem diversas ferramentas que ajudarão no desenvolvimento e documentação de um canal.

Agendar reuniões e manter todos informados é sempre uma tarefa muito difícil. Veja que você poderá agendar uma reunião e automaticamente todas as pessoas envolvidas no canal serão notificadas e não poderão dizer que simplesmente não sabiam da reunião ou não receberam a notificação, pois tudo será documentado dentro do canal.

Você poderá escolher qual canal deseja criar essa reunião e poderá convidar pessoas dentro de sua organização.

Cada usuário poderá subir arquivos individualmente sem precisar compartilhar com os canais. Esse é um espaço particular e não é compartilhado com outros usuários. Se cada usuário possuir o OneDrive, será carregado individualmente seus arquivos para poder utilizá-los e se quiser compartilhar o mesmo.

Você também pode usar sua imaginação e vincular qualquer serviço “http” e chamar uma página web dentro do Microsoft Teams. Veja que conseguimos vincular um sistema em Sharepoint, dentro de um canal. Isso é muito legal, pois podemos ter diversas ideias para integração dentro do Microsoft Teams.

Essa foi uma pequena demonstração do que o Microsoft Teams oferece. Se você possui o Office 365 com as assinaturas que possuem direitos de utilização, não deixem de testarem, pois a resposta é bem positiva pela sua simplicidade e integração. Esperamos que essa pequena dica ajude a todos os administradores e equipes de trabalho que precisam organizar melhor os seus projetos.

Reinstalando Licenças no Remote Desktop Service 2008/2012/R2

Nesse artigo vamos mostrar como limpar o banco de dados .EDB para reinstalarmos as licenças doRemote Desktop Service. Muitos administradores se deparam com problemas relacionados a revogação das licenças em relação aos seus dispositivos. Esse procedimento é bem simples e deve ser adotado como método de limpeza e preventiva para seu servidor de RDS.

Importante: Para continuar acompanhando esse artigo, tenha em mãos a documentação do licenciamento do Remote Desktop Service adquirido e entenda qual tipo de contrato você possui. Existem diversos tipos de licenciamentos e é de extrema importância estar ciente qual está em suas mãos. Utilize esse procedimento se realmente já possui o função do RDS instalada e Licenciamento.

Geralmente o que ocorre é a repetição de dispositivos com o mesmo nome sendo adicionados no banco de dados de licenciamento. Qualquer alteração feita neles, poderá ter mais uma licença consumida. Com isso a manutenção do banco de dados é muito importante e essencial. Confira na imagem abaixo:

Para limparmos o banco de dados, devemos parar o serviço “Licenciamento da Área de Trabalho Remota”. Confira na imagem abaixo:

Navegue até o caminho: c:\windows\system32\Lserver, esse é o caminho onde encontramos o banco de dados do licenciamento do nosso RDS. Para zerar o banco, vamos renomear o arquivo TLSlic.edbpara @TLSlic.edb. Se tudo der certo no fim desse artigo, o arquivo renomeado poderá ser excluído.

Não Esquecer: Após renomear o arquivo  TLSlic.edb, devemos iniciar o serviço “Licenciamento da Área de Trabalho Remota” novamente, para ser criado um novo arquivo.

Abrindo o gerenciador de licenciamento, você irá perceber que o mesmo estará limpo. Agora precisamos efetuar a instalação das licenças. Clique em e “Instalar Licenças” como mostramos na imagem abaixo:

Será iniciado o assistente de instalação das licenças. Clique em “Avançar” para continuarmos o processo:

Veja que existem diversos tipos de licenciamento e contratos. Revise sua documentação e escolha o contrato corretamente para ter sucesso na instalação. Caso tenha dúvidas sobre seu contrato, entre em contato com o suporte da Microsoft para melhores esclarecimentos. Assim que escolher o contrato, clique em “Avançar”:

Nesse caso escolhemos a opção de contrato “Open License” que é o mais comum encontrarmos. Insira o número de autorização e licença para finalizar o processo e clique em “Avançar”:

Após a última etapa suas licenças serão instaladas em um banco de dados totalmente limpo como se fosse a primeira vez. Esperamos que essa dica ajude a todos os administradores manterem seu banco de dados limpo e organizado.

Migrando Servidor de Licenças RDS no Windows Server 2012/R2

Nesse artigo vamos mostrar como bloquear tipos de arquivos no Windows Server 2012 R2. A ferramenta a ser utilizada é nativa no Windows Server “Gerenciador de Recursos do Servidor de Arquivos”. Muitos administradores utilizam essa ferramenta para criação de cotas e controle dos dados corporativos. Você poderá criar diversas pasta em sua rede e criar triagem para tipos de arquivos diferentes.

Para iniciarmos a configuração, será necessário criação de uma pasta com  as permissões NTFS para acesso a mesma. Não esquecer de aplicar as permissões nos dois níveis, ou seja, “Segurança” “Compartilhamento”.

Abra a console “Gerenciador de Recursos do Servidor de Arquivos” em seu servidor de arquivos, como mostramos na imagem abaixo e clique em “Criar Triagem de Arquivo

No caminho da triagem, aponte para a estrutura de pasta que criamos como “C:\Cotas”. Selecionamos abaixo o modelo de triagem para bloqueio de arquivos de áudio e vídeo. Dentro da ferramenta podemos criar tipos de modelagens personalizados, isso fica a critério do administrador. Quando estiver certo de suas configurações clique em “Criar”:

Podemos também enviar relatórios por e-mail para aviso se algum diretiva entrou em ação. Esse opção é muito importante e deve ser configurada para monitoramento do serviço e melhor uso da ferramenta.

Importante: Os parâmetros de servidor SMTP, devem ser configurados antes de chegarmos nesta etapa.

Com todo o processo acima finalizado, vamos para nossa estação de trabalho. Na imagem abaixo temos o mapeamento com a letra S: mapeando a pasta compartilhada em nosso servidor “C:\Cotas”.

Veja que ao tentarmos copiar um arquivo de vídeo para a pasta, o acesso foi negado.

Com isso o controle de arquivos em seu servidor ficará 100%. Essa ferramenta é muito útil para qualquer tamanho de cenário e é bem vinda para facilitar a vida do profissional de tecnologia.

Serviço de Gerenciamento no Microsoft Azure (E-mail Alerts)

Nesse artigo vamos falar sobre um excelente recurso de gerenciamento disponibilizado no Microsoft Azure. O “Serviço de Gerenciamento” é um dos recursos mais procurados e utilizados pelos administradores de redes em um cenário de pequeno até grande porte. O recurso permite ao administrador criar regras de alertas dos seguintes itens:

  1. Armazenamento
  2. Banco de Dados SQL
  3. Máquina Virtual
  4. Serviço de Nuvem
  5. Site
  6. Serviço Móvel

Para criar sua primeira regra, clique em “Serviços de Gerenciamento” no menu lateral e depois em “Adicionar Regra”, como mostra a imagem abaixo:

Em nosso exemplo, escolhemos a opção “Máquina Virtual” para monitorarmos:

Na próxima etapa, você poderá escolher o tipo de métrica que deseja monitorar como:

  1. Bytes Gravados em Disco
  2. Bytes Lidos em Disco
  3. Entrada de Rede
  4. Porcentagem de CPU
  5. Saída de Rede
Em nosso exemplo, escolhemos a opção “Porcentagem de CPU” e o valor “100”. Quando nossa CPU chegar a 100% de processamento, vamos receber um alerta via e-mail. Insira um e-mail alternativo se desejar para receber seus alertas. Quando estiver certo que sua regra está de acordo com o que desejar, clique em “Concluído”:

Aguarde a criação da regra. Esse procedimento ficará pronto em segundos.

Pronto! Sua regra está criada. Observe que o “Status” aparecerá como “Não ativado”, isso significa que ainda não foi utilizada e a máquina está com a CPU trabalhando normalmente sem Stress.

Ao efetuar o Stress em nossa CPU e deixá-la em 100% de consumo, o Status modificará para “Ativo” e logo um e-mail de alerta chegará no endereço principal e alternativo (Caso seja configurado).

Veja o e-mail que recebemos após o Stress de nossa CPU.

Esse é um dos itens que podemos monitorar no Microsoft Azure. Um serviço de extrema importância e muito requisitado pelos administradores de rede e infraestrutura. Esperamos que seja uma ótima dica para quem utiliza os serviços online da Microsoft.

Monitorando e Criando Alerta em Servidor no Microsoft Azure

Nesse artigo vamos mostrar como criar um alerta em um servidor dentro do Microsoft Azure. Imagine um ambiente em nuvem com diversos servidores virtuais e um desses servidores está passando por problemas de performance. Logo devemos monitorar a CPU, memória ou escritas dentro do nosso disco. O Microsoft Azure possui uma ferramenta de alertas, onde podemos criar métricas simples para monitorar esses periféricos e ainda receber esse alerta via e-mail. Vamos ver como isso funciona na prática.

Abra o seu portal e clique na opção “Monitor“. Veja que possuímos diversos serviços criados, mas escolhemos uma VM com o nome de “WENZ” para efetuarmos esse procedimento. Confira na imagem abaixo:

Ao clicarmos em “Monitor“, recebemos algumas opções de monitoramento e análise. Essas opções poderão ser usadas em qualquer VM ou serviço dentro de sua assinatura. Em nosso caso, vamos clicar em “Alerts” para iniciarmos o processo de criação da nossa métrica:

Ao expandirmos a opção “Resources Group“, podemos visualizar nossas VMs e aplicativos instalados que aceitam esse tipo de monitoramento e métrica. Em nosso caso, vamos selecionar o servidor “Wenz“, como mostra a imagem abaixo:

Veja que no combo “Resource Type“, será selecionado automaticamente o tipo de serviço que minha VM possui. Outras opções que não se encaixam em minha VM já serão automaticamente desabilitados para evitar erros na configuração.

Ao selecionarmos nosso servidor no último combo chamado “Resource“, observe que a opção “Add metric alert” será habilitado para iniciarmos o processo de configuração. Assim que o botão for habilitado, clique no mesmo, como mostramos na imagem abaixo:

Criaremos uma métrica para nos alertar quando a CPU passar dos 40% de uso em nosso servidor. Vamos ver as opções que devemos configurar:

  1. Nome;
  2. Descrição;
  3. Tipo de métrica (Selecionado Porcentagem de CPU);
  4. Condição;
  5. Valor numérico em %;

7. Notificação em tempo real por e-mail.

Insira o e-mail desejado para receber seus alerta e clique em “OK“.

Pronto, sua métrica está criada e em funcionamento.

O nosso servidor, ao receber um stress de CPU e passar sua porcentagem com mais de 40%, o nosso alerta deverá entrar em funcionamento:

Veja que o status do nosso alerta já foi modificado para “Warning”:

E dentro de alguns segundos, o e-mail foi recebido no endereço que definimos dentro de nossa regra. Assim que o processador passou dos 40%, o e-mail chegou segundos depois. Confira o e-mail na imagem abaixo:

Nós, profissionais IT Pro, entendemos o quão importante ter esse monitoramento em tempo real. Parece uma solução simples, mas nos servidores físicos e locais, muitos tinham e ainda passam por dificuldades de efetuar esse monitoramento com softwares de terceiro ou até mesmo via logs de segurança do Windows. Você pode imaginar uma fila de servidores e suas métricas renomeadas e bem organizadas para ter um ótimo gerenciamento e controle do seu ambiente em Cloud. Esperamos que essa dica seja útil para todos que pensam em trabalhar com os serviços online da Microsoft.

Instalando Azure Active Directory Domain Services (New Portal)


Nesse artigo vamos falar sobre um assunto bem interessante e que gera muitas dúvidas entre administradores ITPRO. Sempre que pensamos em Microsoft Azure, tentamos imaginar nossa estrutura local de Active Directory integrada com o Azure e na maioria dos casos, efetuamos a opção de manter um ambiente híbrido conectando o nosso Active Directory local no Microsoft Azure. Hoje os serviços do Active Directory dentro do Microsoft Azure vem se aperfeiçoando e se integrando melhor com os serviços, e de um modo ainda mais parecido com o nosso Active Directory local.

Vamos conhecer abaixo como efetuar a instalação do Active Directory Domain Services no Microsoft Azure e ingressar estações ou servidores nesse domínio. O primeiro passo é acessar o seu portal Microsoft Azure e procure como “Azure Domain” na pesquisa, e clique em “Create AD Azure Domain Services” como mostramos na imagem abaixo:

Insira o nome do seu domínio, escolha a subscription que deseja instalar o Active Directory e escolha o Resource Group desejado. Se você não possuir um Resource Group criado, crie um novo para organizar melhor os seus serviços no Microsoft Azure.

Essa etapa é muito importante para a continuidade do processo. Você deve escolher o seu grupo de servidores ou serviços que deseja utilizar o seu Active Directory Domain Services. Efetue as configurações desejadas e clique em “OK”para continuar o processo de instalação:

Confira as configurações e clique em “OK”:

GO processo de deploy pode demorar alguns minutos e você poderá acompanhar até a finalização do processo. Veja a imagem abaixo do deploy em progresso de instalação:

Muitos administradores preferem administrar através do Powershell, portanto, vamos mostrar como se conectar o Azure AD através dele. Abra o Windows Azure Powershell com elevação e instale o módulo do Azure AD com o comando:

install-module azuread

Digite [A] “Sim para todos” e aperta “Enter”:

Aguarde o processo de instalação. Esse processo pode demorar apenas alguns segundos:

Para quem deseja se aprofundar no gerenciamento do Azure AD via Powershell, acesse o link de apoio abaixo:

https://docs.microsoft.com/en-us/powershell/azure/active-directory/overview?view=azureadps-2.0

Continuando com o processo, quando geramos o nosso Azure Active Directory, dois DNS são gerados com o mesmo range de IP da nossa rede, que escolhemos para a nossa rede local. Em nosso exemplo recebemos os seguintes IPs:

  • 10.0.0.6
  • 10.0.0.7

Veja que ao efetuarmos o ping -a conseguimos visualizar os “Containers” que possuem o nosso serviço de Active Directory, e que será o responsável pelas resoluções de nomes internas e externas do meu Azure AD.

Para ingressarmos uma estação ou servidor em nosso novo domínio, devemos seguir a mesma regra antiga de apontar o servidor de DNS principal para o nosso controlador de domínio.

Atenção: Se você estiver fazendo esse procedimento com uma máquina virtual, tome muito cuidado ao alterar o DNS, pois devemos sempre manter um DNS externo para não perdermos acesso a nossa máquina virtual no Azure. Se você colocar o DNS apenas local, não será possível conectar ao servidor através do RDS por um link externo e sim apenas interno no Azure.

Insira os DNS e clique em “OK“, como mostramos na imagem abaixo:

Dentro do nosso portal, veja que já possuímos um usuário criado dentro do nosso domínio Azure Active Directory. Podemos a qualquer momento utilizar o gerenciamento das contas, permissões e senhas dentro do novo portal do Microsoft Azure. Redefina a senha do usuário se for necessário, veja como na imagem abaixo:

Vamos utilizar essa conta para ingressar um de nossos servidores apenas como “membro de domínio”, assim testamos o nosso DNS e o Active Directory que criamos no passo a passo acima:

Prontinho, você já está com o seu domínio Active Directory funcionando e já pode ingressar estações, servidores e qualquer outra aplicação dentro do Microsoft Azure para o seu novo Active Directory Domain Services.

Uma opção muito bacana, é que conseguimos convidar pessoas que estão fora da nossa organização para acessar os produtos do myapps.microsoft.com que você configurar.

Nós da área de ITPRO, estamos ansiosos para encontrarmos ainda mais integrações do Active Directory Domain Services com o Microsoft Azure e seus produtos internos. Estamos vendo um grande progresso durante os últimos meses a os cenários já estão sendo montados para entregarmos aos nossos clientes as melhores e mais práticas soluções. Esperamos que tenham gostado dessa visão geral do Active Directory no Azure e que ajude nas futuras migrações para os serviços online da Microsoft.