Instalando Windows Server 2016 no Microsoft Azure

Nesse artigo vamos mostrar como instalar o Windows Server 2016 Technical Preview dentro do serviços do Microsoft Azure. Como trata-se de uma versão preview, aconselhamos apenas para teste e não aplicar o mesmo em ambiente de produção. A facilidade de instalação é extremamente clara e agilidade indiscutível.

Primeiramente acesse sua conta Microsoft Azure e selecione “Computação” – “Máquina Virtual” e depois “Da Galeria” e selecione a opção Windows Server 2016 Technical Preview:

Nas configurações de máquina virtual, escolha o nome que desejar, o tipo de processador (núcleo) e a autenticação desejada para acesso ao servidor ao termino de nossa criação. Muito importante anotar essas configurações para que o acesso seja efetuado com sucesso.

Escolha no nome DNS que sua máquina será chamada. Veja que o .cloudapp.net irá complementa seu nome DNS. No caso nosso nome DNS será: svr2016-pv.cloudapp.net. Escolha onde gostaria de armazenar sua VM, sua cota de armazenamento e as portas de gerenciamento. Em nosso caso a porta de RDS deixaremos em “Automático” para acesso externo, assim, o ícone de acesso ao RDS nos trará a porta configurada pelo Microsoft Azure. Se você quiser editar essa porta é extremamente recomendado e seguro.

Continuando com a configuração da nossa VM, escolhemos um agente de VM que servirá na ajuda do gerenciamento a partir de outras extensões do Microsoft Azure e um antivírus cliente para proteger inicialmente nosso servidor.

Aguarde o provisionamento ser criado. Esse processo pode demorar de 5 à 10 minutos. É um processo bem rápido e acabamos ganhando muito tempo para entrega de ambientes para produção e homologação sem se preocupar com a parte de hardware.

Assim que o provisionamento for finalizado, clique no ícone “Conectar” para baixar seu arquivos de conexão RDS, com a configuração de porta automática que o Microsoft Azure nos gerou.

Pronto! O servidor está pronto para ser utilizado e testado. Esse processo demora no máximo 10 minutos e com essa facilidade, tente imaginar quanto tempo e dinheiro você pode economizar dentro de uma implantação física.

Esperamos que essa pequena demonstração ajude aos novos usuários e pesquisadores de Cloud Computing a começarem a migrar os seu serviços locais pra a nuvem e para os serviços Online da Microsoft. Todo ambiente Microsoft é de extrema segurança, fácil configuração e com interface gráfica excelente.

Instalando Ubuntu Server no Microsoft Azure e Acessando Remotamente


Nesse artigo vamos mostra como criar uma máquina virtual com servidor Ubuntu Server no Microsoft Azure. Hoje 20% das máquinas virtuais dentro do Microsoft Azure ao Linux. Isso comprova que a interoperabilidade está cada vez mais forte no mercado tecnológico. Para quem nunca viu um servidor ou produto Linux rodando dentro dos serviços online da Microsoft, vai perceber que a mesma facilidade de configuração com um Windows Server é idêntica na instalação de outra plataforma.

Em nosso cenário abaixo, escolhemos a versão mais atual do Ubuntu Server, pois a mesma já é embutida e pré-configurada dentro das imagens no Microsoft Azure. Crie uma nova VM e escolha a versão deseja instalar e avance o processo.

Escolhas as configurações de hardware e parte lógica de seu servidor Linux (Ubuntu Server), como:

– Processador;

– Quantidade de núcleos;

– Nome do Servidor;

– Tipo e usuário para autenticação.

Quando as opções estiverem escolhidas, clique em avançar para continuar o processo de instalação.

Nas opções abaixo, podemos escolher o nome DNS que o servidor será conectado remotamente. Você escolher qualquer nome e a ferramenta lhe devolverá a informação se o DNS está disponível para uso. Escolha também o pais e região que o seu servidor será gerado. Essa arte geográfica, deve ser bem analisada na calculadora do Microsoft Azure, pois a mudança de país pode afetar no valor de sua hospedagem. Segue abaixo a calculador de preço Microsoft Azure:

https://azure.microsoft.com/pt-br/pricing/calculator/

Importante: Muito importante efetuar a alteração de porta e não manter a padrão. Veja que na imagem abaixo escolhemos porta TCP 22 (Padrão SSH), mas aconselhamos a alteração para evitar ataques na porta com serviços externos.

Instale o assistente de para ajudar no monitoramento de sua VM e para dar suporte caso ocorra algum problema em sua conexão com a nuvem.

Aguarde o provisionamento da VM dentro do perfil “Máquinas Virtuais”. Confira na imagem abaixo:

Após criação completa da VM, precisamos conectar remotamente nessa máquina para começarmos a utilizar os nossos serviços e estruturar o nosso servidor. Vá nas configurações de VM Ubuntu Server e veja que no lateral direita da página o Microsoft Azure criou automaticamente o nome de DNS e também o seu IP publico para conexão externa.

Você pode optar pela utilização de qualquer um dos dois e escolher qual melhor se encaixa no servidor que vai utilizar.

Para efetuar a conexão direta com o servidor, utilize o Putty e ínsita o nome de DNS ou IP publico, conforme mostrado na imagem acima. Lembre-se que se se alterou a porta 22 SSH, você precisa alterar no Putty para ter sucesso na conexão.

Será exibido a tela de usuário e senha para autenticação. Entre com o usuário e senha configurado.

Pronto! Você está conectado a sua VM Ubuntu Server dentro dos serviços do Microsoft Azure. Agora você poderá configurar os seus serviços e deixar toda a preocupação de hardware com os serviços Online da Microsoft.

Esse artigo vai ajudar e esclarecer que a interoperabilidade entre Microsoft x Linux está crescendo a cada dia e quem ganha sempre com isso é o mercado tecnologia. Você que é do mundo Linux e tem seu cenário na ferramenta OpenSource, pode pensa em migrar os seus serviços, pois com certeza haverá todo o suporte necessário para manter seu parque. Esperamos que tenham gostado e grande abraço.

Microsoft Azure: Monitoramento Máquina Virtual

Nesse pequeno artigo, vamos mostrar alguns dos parâmetros e métricas de monitoramento que o Microsoft Azure pode nos oferecer, utilizando uma máquina virtual clássica com Windows ou qualquer outro sistema operacional. O novo painel do Microsoft Azure nos entrega de forma simples, uma interface fácil e agradável para um ótimo gerenciamento e acompanhamento do cenário em nuvem. Os parâmetros que vamos mostrar abaixo são simples, mas de extrema importância no dia a dia de um profissional de TI e entregas de relatórios para análise de performance. Vamos mostrar abaixo como ativar o monitoramento de sua máquina virtual dentro do Microsoft Azure.

Primeiramente faça o login com sua assinatura Microsoft Azure e selecione a opção “Máquinas Virtuais Clássicas”, como mostra a imagem abaixo:

Selecione a máquina virtual que deseja configurar os parâmetros e clique em “Editar”:

Ao clicar em “Editar”, por padrão sua “CPU” estará configurada para monitoramento, mas existem outras opções que podemos ativar, para deixar ainda mais completo o nosso Dashboard. As opções que vamos ativar são:

  • CPU percentage;
  • Disk read;
  • Disk write;
  • Network In;
  • Network Out;

Com esses parâmetros ativos, seu monitoramento ficará mais completo dentro de sua máquina virtual. Você poderá efetuar essas configurações individualmente para cada máquina virtual gerada nos serviços online da Microsoft. Selecione os parâmetros que deseja e clique em “OK” para salvar as configurações.

Com as configurações salvas, você vai ter em seu Dashboard um monitoramento mais completo e pode encontrar possíveis problemas de sobre carga em sua máquina virtual. Veja como deve ficar seu monitoramento:

Se você precisa que seu monitoramento seja ainda mais completo, você pode utilizar o OMS dentro dos serviços do Microsoft Azure. Lá você vai encontrar diversas métricas avançadas e um Dashboard mais completo. Veja um link abaixo que pode lhe ajudar a ter uma noção do OMS:

Gerenciamento com OMS – Acesse aqui

Esperamos que essa pequena dica seja útil para os administradores que estão a procura de uma nova estrutura em Cloud e aqueles que querem se aprofundar mais no gerenciamento de Datacenters dentro dos serviços online da Microsoft.

Atualizando DirSync para Azure AD Connect

Com o final do DirSync, será necessário atualizarmos para a nova ferramenta de sincronismo AD Connect. O Azure AD Connect é o sucessor do DirSync E AD Sync e continua com o mesmo objetivo em integrar seus diretórios locais com o Azure Active Directory. Aconselhamos todos os administradores a migrarem para a nova ferramenta para obter os melhores recursos e atualizações. O suporte do AD Sync será finalizado em 13 de abril de 2017, parece uma data distante, mas não é.

No link abaixo, uma tabela de comparação em relação AD Connect e AD Sync:

https://azure.microsoft.com/en-us/documentation/articles/active-directory-hybrid-identity-design-considerations-tools-comparison/

Vamos agora efetuar a migração removendo o AD Sync de nosso servidor. Primeiramente devemos remover o Windows Azure Active Directory Sync Tool, conforme mostramos na imagem abaixo:

Clique em “Yes” para confirmar a remoção da ferramenta:

O processo de desinstalação pode demorar alguns minutos. É muito importante aguardar o processo de remoção, mesmo que demora um pouco. Não finalize o processo para evitar problemas em seu ambiente de Active Directory atual.

Efetue o download da ferramenta AD Connect no link abaixo:

https://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=47594

Rode o AD Connect:

Aceite os termos de licença e clique em “Continue”:

Você pode customizar ou manter a instalação expressa. Verifique qual a sua necessidade e clique continue a instalação. Em nosso caso, escolhemos a opção Express.

Insira as credenciais online para conexão do Active Directory com a nuvem e clique em “Next”:

Insira agora as credenciais do seu domínio local com domínio/usuário. O usuário deve ter permissões administrativas para efetuar com sucesso esse procedimento. Clique em “Next” para continuar:

Como não estamos utilizando o AD dentro da conta Azure, essa tela pode ser ignorada:

Clique em “Install” para começar o processo de migração:

Esse procedimento pode demorar vários minutos, pois vai depender do tamanho do ambiente, quantidade de usuários e assim por diante.

Veja o domínio em que o nosso AD será sincronizado:

Pronto! Está feito. Você deverá aguardar mais alguns instantes, antes de abrir a console de AD Connect, pois o mesmo ainda poderá estar sincronizando, mesmo após mensagem de configuração completa.

Se você conseguir verificar essa tela abaixo, significa que seu AD Connect esta configurado corretamente e 100% sincronizado com sua conta online.

Esperamos que essa dica seja útil a todos os administradores e quem precisa efetuar o upgrade do DirSync para AD Connect.

Instalando Barracuda NextGen Firewall no Microsoft Azure

Nesse artigo vamos mostrar como instalar o Barracuda NextGen Firewall dentro do Microsoft Azure. Esse tipo de appliance é muito encontrado em ambientes locais instalados e configurados como hardware, e agora poderá ser virtualizado em seu ambiente Microsoft Azure. Com a instalação do Barracuda NextGean, podemos trabalhar com o cenário híbrido ou até mesmo totalmente em nuvem, pois isso vai de acordo com a necessidade de sua organização e sua ideia.

Dentro de sua assinatura do Microsoft Azure, pesquise o nome “Barracuda” e escolha a opção “Barracuda NextGean Firewall”. Existem outros produtos barracuda disponíveis, onde você pode ler a descrição de cada um,  e entender qual deles pode ser melhor ao seu ambiente e cenário.

Veja que diversos produtos Barracuda são listados, selecione “Barracuda NextGen Firewall” e cliquem em “Create”, como mostra a imagem abaixo:

Será iniciado o processo de configuração da nossa máquina virtual Barracuda Firewall. Nas configurações básicas defina:

  1. Nome de máquina virtual;
  2. Tecnologia de disco, onde escolhemos SSD para obter uma melhor performance. Caso não tenha necessidade de escolher SSD, você terá a opção HDD;
  3. Tipo de autenticação, onde podemos escolher entre SSH ou Password;
  4. Senha de autenticação;
  5. Escolha de assinatura Microsoft Azure;
  6. Local geográfico para hospedagem dessa máquina virtual.

Assim que escolher todas as configurações básicas acima, clique em “OK”.

Observação: Fique atento que alguns recursos não estão 100% disponíveis em alguns países, portanto, ao selecionar as configurações, você poderá ser surpreendido com aviso para mudança de hospedagem de algum serviço.

Escolha o tamanho de sua máquina virtual Barracuda. Em nosso exemplo, escolhemos a menor máquina disponível. Veja que você já terá uma noção de valor mensal para cada máquina. Isso é muito importante para um levantamento de custo para um projeto em sua organização.

Configure os nomes de cada opção como:

  1. Storage;
  2. Network;
  3. Virtual Network;
  4. Subnet;
  5. Grupo de segurança Firewall.

Essas configuração são de extrema importância para que você possa vincular esses grupos para suas VMs clássicas dentro do Microsoft Azure. Assim que suas configurações estiverem de acordo, clique em “OK” para finalizar essa etapa:

Revise as configurações escolhidas e se tudo estiver de acordo, clique em “OK”. Caso queira corrigir algum nome ou configuração, você poderá voltar sem problemas.

Leia com atenção o termos de uso, revise os valores que serão cobrados em sua assinatura e clique em “Comprar”:

Assim que finalizar a compra do produto, a implementação pode demorar alguns minutos para que a mesma fique acessível. O provisionamento da máquina virtual será efetuado e assim que pronta, nos mostrará o seu status como acessível. Aguarde o provisionamento total para começar a explorar seu Appliance.

Dentro das configurações da Barracuda Firewall, procure o Public IP e acesse via navegador. Será exibido uma tela de boas vindas como mostra a imagem abaixo. Esse tela disponibilizará um instalado chamado “NextGenAdmin”. Esse aplicativo será utilizado para acessar sua máquina virtual. Faça o download dessa ferramenta:

Ao abrir a ferramenta “NextGenAdmin”, escolha a opção de produto “Firewall” e adicione as seguinte informações:

  1. IP público da máquina virtual Barracuda;
  2. Nome de usuário definido para administração do Barracuda;
  3. Senha.

Pronto! Você está dentro de sua máquina virtual “Barracuda NextGean Firewall” e poderá ter o controle total do ambiente em nuvem, VPN e controle entre os ambientes híbridos caso possua.

Esperamos que essa dica seja útil para todos os administradores que procuram uma solução de firewall dentro dos serviços do Microsoft Azure. Muito importante ressaltar que você poderá utilizar esse serviço em ambiente híbridos ou apenas em Cloud.

Criando Servidor de Arquivos no Microsoft Azure

​Nesse artigo vamos mostrar como criar seu servidor de arquivos dentro do Microsoft Azure. Muitos administradores tinham essa dúvida em relação ao servidor de arquivos dentro do Microsoft Azure e como criar essa estrutura. No início do Microsoft Azure os servidores de arquivos eram criados através de um Windows Server com conexão via VPN para autenticação. Hoje o Microsoft Azure possui o serviço “Storage account”, onde podemos criar um servidor de arquivos nativo dentro dos serviços online da Microsoft. Vamos ver abaixo como criar o nosso primeiro file server no Azure.

Autenticado em sua assinatura Microsoft Azure, pesquise o “Storage account”, conforme mostramos na imagem abaixo:

Selecione a opção “Storage account”:

Clique em “Create”:

Selecione “Files” e depois clique em “File Share” para criar seus compartilhamentos desejados. Ao criar um compartilhamento, você poderá colocar uma cota para cada um deles caso necessite. Se o campo ficar me branco, nenhuma cota será criada.

Selecione o compartilhamento criado e clique em “Connect”:

Veja abaixo que automaticamente foram criados os comandos para a conexão do mapeamento via Windows e também via Linux.

Veja que será exibido os comandos para criar sua unidade mapeada para Windows ou Linux. O Storage account name será o seu usuário de autenticação. Clique em “View access keys for this storage account” e veja que será apresentada suas chaves e seu usuário para autenticação.

Em seu Windows, selecione a letra de unidade que desejar e insira as configurações conforme imagem abaixo:

Pronto! Sua unidade de rede esta configurada e pronta para ser utilizada.

Esperamos que essa pequena dica ajuda a todos a criarem um servidor de arquivos no Microsoft Azure. Muito interessante apresentar essas soluções para empresas que já estão pensando em manter seus arquivos em nuvem, pois o gerenciamento e a flexibilidade do serviço e sensacional.

WhatsApp chat